quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Vida

Foto: Nauro Júnior

Ando de olho na vida. Olhando para ela mais de perto e com mais cuidado. Diariamente alguns sinais sublinham o quanto ela é fugaz, efêmera, preciosa.


Hoje acordei especialmente apaixonada por essa oportunidade que temos, de estar aqui e agora. Sem passado, sem saber do futuro, mas no lugar certo, na hora real.


O dia está nublado e cinza, mas a inspiração veio dos últimos dias. Primeiro o Jason, bebê do post anterior, acabou falecendo. Depois, no sábado passado, uma menina que foi colega de faculdade, faleceu em uma mesa de cirurgia. Foi fazer uns exames rotineiros e descobriu que precisava fazer uma cirurgia. Era de urgência, de risco. E foi ali que tudo acabou. Como um sopro.


E assim é o roteiro, sem aviso prévio, sem preâmbulo. Por isso o negócio é pra ontem, pra já.


Sorrir e gargalhar bem mais, por bem menos. Abraçar muito. Coisa boa é um abraço quentinho. No meio da rua, sem motivo ou regra. Beijar então, nem se fala. Todo mundo beija muito pouco. E não é só o marido ou namorado. O pai, a mãe, o filho, os amigos, aquela pessoa que a gente admira de longe. Surpreender com um beijo carinhoso, sempre é bem vindo.


Lembro da primeira vez que li o poema “Instantes”, que é erroneamente creditado à Jorge Luis Borges. Aquele epitáfio literário me deu uma profunda angústia.


“...Porque se não sabem, disso é feita a vida, só de momentos;
não percam o agora.
Eu era um daqueles que nunca ia a parte alguma sem um termômetro,
uma bolsa de água quente, um guarda-chuva e um pára-quedas e, se voltasse a viver, viajaria mais leve...”


Na época eu tinha 17 anos, e lembro que depois disso nunca mais usei guarda-chuva. Até hoje nego a companhia desse objeto protetor, que nos poupa de gripes e roupas molhadas. É minha forma de sentir a vida pingando nos dias de chuva. É uma forma adolescente de lembrar o que não devo esquecer: viver mais, muito mais profundamente.


E assim retomo meus escritos nesse lugar que tanto me faz bem. Com uma paixão absoluta por tudo que me faz estar aqui. Paixão por um companheiro que me chegou há quase uma década, para me lembrar a importância da alegria no nosso dia-a-dia. O quanto sonhar nos mantém acordados e ainda me deu o meu maior presente. Uma filha maravilhosa, ser de luz, que veio para nos mostrar o quanto essa vida é rara.


Então vamos a ela, sem rodeios. Vamos à vida e a toda paixão que ela possa nos fazer sentir!

7 comentários:

Marília disse...

Oi, Gabi!!
Que lindo o texto e concordo plenamente com ele..viver a vida levemente.
Já aproveito para agradecer o carinho conosco ;)
Beijos,
Marília Régio

Carol Passuello disse...

Que texto lindo! Sensível demais!
Um ótimo dia para você!
Bjs

kiki disse...

Que bom te ver de volta ao blog com essa alegria toda de viver, todos os dias entrava para ver se estava atualizado e hoje abro e vejo esse texto lindooo!!! Tô precisando muito de abraços, beijos e colinho.
Bjs TE AMO!!!

Andressa disse...

Puxa vida, teu texto passa uma serenidade incrível. Também tenho um blog e cheguei a pensar se não perco tempo sendo crítica demais ao invés de atentar para as coisas simples mas que merecem ser enaltecidas... Parabéns pelo felling. Seria uma honra receber a tua visita e um comentário teu em meu blog: http://masbemcapaztche.blogspot.com/

Anônimo disse...

Parabéns pelo texto querida! Lindo demais!
E a foto, no primeiro segundo..achei que fosse a Sofia! haha

E ve se responde meus tweets! :P

bjos, Paula Blaas

Nicenhah disse...

Que lindo! Tava triste há um segundo, mas esse texto me fez parar pra dar um suspiro e sacudir a poeira. Muitos beijos
:D

Lu Gastal disse...

siamesa... arrepiei! que texto lindo!