sexta-feira, 26 de março de 2010

Ai vem ela

Não gosto de sentir medo. Acho esse um sentimento covarde. Pode parecer uma obviedade, mas quando ele chega, acho que perdemos de alguma forma nossa força em essência. Sei que ele também ajuda a termos reações rápidas, e muitas vezes decisivas. Mas pelo que me recordo dos nossos meses de hospital com a Sofia, as decisões mais sábias foram tomadas pela sobriedade e esperança.

Mas enfim, vamos ao que interessa.

O verão acabou e o outono já apontou aqui na esquina, com cara cinza e as tais mudanças de temperatura. O reflexo aqui em casa foi imediato. Eu comecei a acordar com rinite e a Sofia já está encatarrada. Quarta-feira fomos à consulta no Dr. Flávio, e pela auscuta no pulmãzinho dela, o sinal amarelo acendeu. Começamos imediatamente um tratamento daqueles, para prevenir complicações típicas dessa época do ano. Até aí tudo dentro da normalidade do nosso cotidiano com a Sofia. Mas quando perguntei ao médico, sobre a vacina da gripe A, ele disse:

- Não vacinaram ainda? Tem que fazer isso imediatamente!

Na hora a tal sensação de medo tomou conta de mim. No ano passado passei meses de angústia, pela companhia constante da sombra dessa tal gripe A, até então desconhecida, mas letal para pacientes com o histórico da minha mimosa. Então, junto com as notícias massificadas pelos veículos de comunicação, apareceu um medinho guardado há quase três anos no meu coração. A sensação de impotência frente a algum mal que poderá atingir um filho. Esse realmente é um sentimento novo, que durante minha vida de filha não sabia que existia. É estranho e gera uma gama maluca de sensações. Então fiquei bem quietinha, sem falar muito no assunto, como se o silêncio fosse afastar esses pensamentos da minha cabeça. Então o inverno passado foi-se, a tal pandemia da gripe de arrasto, e os meus medos voltaram para “caixinha” secreta, bem lá no fundo da alma.

Até que o assunto da gripe retomou a vitrine. Desde a semana passada, quando levo a Sofia no colégio, o assunto recorrente entre as mães é a tal vacina contra a gripe A. Parece que o estado de alerta é geral, entre as leoas de plantão. E eu, obviamente, que tenho uma filha no grupo de risco, saquei imediatamente o meu medo da “caixinha” e tenho convivido secretamente com essa sombra de novo. Já entrei em contato com a clínica que fornece a vacina importada, mas só chega em maio.

Muita procura. Poucas doses. Muitos medos.

Que ótimo, e agora?
A solução do Dr. Flávio foi levarmos a Sofia para vacinar na rede pública. Só que a vacina lá não é a importada, e os efeitos colaterais podem ser maiores. Hoje vou buscar os atestados e ver se consigo me encher de coragem. Vou esperar o final de semana passar. Preciso organizar meu estoque de forças internas e dar um antídoto para esse sentimento chato, angustiante e pesado do medo que me acompanha. Preciso só de um oxigênio, e já estou com meu arsenal pronto, e isso inclui bem um exército de anjinhos amigos que nunca nos deixaram na mão.

*Leia-se, entre o céu e a terra!

Conto com vocês, viu?!

6 comentários:

A Familia Aumentou disse...

estamos sempre alertas!!!
(assim mesmo, como dizem os escoteiro)
Beijocas...
uma grandona para Sof

cíntia disse...

tudo vai dar certo. conta com a minha vibração! beijoca nos 3

cíntia disse...

ah, quinta vacinamos o nosso artur contra a tal da gripe. na rede pública pois ele tem 7 meses. não teve reação nenhuma, nem febre, nem marca ficou na perna.
eu estava louca de medo, afinal é vacina nova... mas se o dr flávio mandou, fazemos...
também preferia a particular, mas ele achou melhor não esperar até maio.
vai dar tudo certo com a sofia.
beijo

Pedro disse...

Oi Ermã, não te preocupa já vacinei o Pedro na quinta-feira e não deu nada, segundo ele nem o pique doeu, eu já me vacinei na semana passada e também não tive reação nenhuma e aqui em casa também já começamos achiar como umas chaleiras hehe, mas já estamos voltando as velhas bombinhas que estavem esquecidas.E o Bruno já faz mais de ums mês que se vacinou e tudo tranquilo. Só a Luisa que não está no grupo de risco mas vou vacinar ela na rede privada. Beijos com amor

mãe disse...

Filha querida, bem entendo teu Medo, sem dúvida a cada outono que chega esta sensação retorna, mas tenho certeza que mais uma vez os anjinhos da guarda estarão super atentos e a Terrivel Sofia(junto de voces) dará um "drible" em todos estes virus A,B,C.D,H...ou qualquer outro que queira se apresentar. Podes ter certeza que estamos aí para o qu der e vier. Fica com Deus.

Denise Crispim disse...

Oi querida,
Vou levar a Sofia para vacinar amanhã, na rede pública mesmo.
E vamos viajar na sexta, então estou apreensiva com os efeitos adversos... Mas, vamos apelar para os nossos anjinhos e acreditar que dará tudo certo!