sexta-feira, 29 de abril de 2011

Doce alma



Na terça-feira passada fui convidada pela equipe do HU São Franciso de Paula, onde a Sofia nasceu, para assistir a uma palestra. O médico pediatra Luís Alberto Mussa Tavares, do Rio de Janeiro, estaria falando sobre os direitos dos bebês prematuros.

Como de costume, quando soube que ele se dedicava a essa tão nobre causa, fui direto ao google para saber um pouco mais sobre essa pessoa. Pude perceber, já à primeira “lida”, que se tratava de alguém especial.

Autor de vários livros, é uma médico que fala com a alma.

Fizemos um primeiro contato por mail e apresentei a ele nosso Instituto Abrace (www.instutoabrace.org.br) onde está nossa história com o Mundo de Sofia.

Na terça-feira cheguei quase na hora da palestra, e não tive tempo de me apresentar. O Dr. Luis começou a falar enquanto mostrava em um power point fotos de prematuros e poemas de sua autoria.

Já de começo, nas primeiras palavras, começou a se emocionar. Eu também. A cada palavra, comparação, constatação, percebia que estava diante de um ser humano e tanto.

O seu trabalho é todo voltado a dismistificar os “decretos” da medicina. Ele escreveu a Declaração Universal de Direitos do Prematuro (http://slidesha.re/F88Iq) . Tem um olhar atento aos profissionais que participam de cada décimo de vida nas UTIs. Olha para o todo. Enxerga o bebê, a mãe, o pai, o ambiente, a história, a vida.

Mostrou para ao auditório lotado, que o prematuro sente dor, e precisa ser tratado com o máximo de cuidado. Para quem não sabe, a medicina acreditava que isso não acontecia.

Foi muito bom ouvir de alguém que veio de longe e estuda profundamente o assunto, o que impiricamente defendemos na prática.

Ao final da palestra eu obviamente estava em lágrimas. Fui abraçar aquele hobin hood da medicina e falar da minha satisfação em conhecê-lo pessoalmente. Com receptividade mútua, combinamos de trocar novos contatos.

Antes mesmo disso acontecer, recebi da Mariana (acadêmica de enfermagem), irmã da querida Paula Blaas, um poema feito pelo Dr. Luis, após sua estada em Pelotas.

Divido aqui com vocês um pouco da visão desse home de alma doce:

O doce mais doce de Pelotas

Voce já provou dos doces de Pelotas?
Gostou?
Ja reparou como são feitos com cuidado e atenção?

A impressão que a gente tem é que são preparados para sua boca, para seu degustar...
Como são ternos, como seu paladar é marcante...
O Pastel de Santa Clara, o Bem-casado, o Bom bom de Morango, a Queijadinha, o Beijo de Mulata...

Ah, sim, claro...
São bem gostosinho também...
Vale até a pena escolher alguns deles pra levar pra casa...
Garantia de sucesso...

Mas os doces de Pelotas, os verdadeiros, os doces mais doces dessa terra gaucha voce já conhece?
Já provou?

Ja visitou o Hospital Universitario São Francisco de Paula?
Ja conversou com a Rejane, nutricionista responsavel pela coordenação das açoes amigas da criança no Hospital e pela costura geral das normas de amamentação naquela casa?

Ja recebeu um abraço da Mariana, academica de Enfermagem que tem se dedicado ha 2 anos ao trabalh o com as puerperas e com seus bebes em aleitamento?

Ja sorriu para a Carla, Assistente Social que vislumbra a criança e seu entorno e percebe a importancia do vinculo como elemento apoiador de primeira grandeza?

Ja parou para escutar Dr. Gil que aos 41 anos de magistério tem o vigor de um menino e a avidez de um verdadeiro idealista?

Ja provou da gentileza e receptividade do Dr. Silvio que percebendo a importancia das ações cuidadoras de proteção e apoio à mãe e ao bebe tem dirigido aquela casa com apoio incessante à causa do acolhimento?

Ja experimentou conversar com toda uma equipe que trabalha ali naquela casa e se emocionar varias vezes?

Ja reverenciou a história de Sofia e da Gabriela e do Nauro? Ja leu o Diario de Sofia? Ja marejou seus olhos diante da magestade materna da Gabriela e de seu exemplo para nossa especie?

Já visitou dona Adelma na Enfermaria para ajuda-la no procedimento da translactação? Ja falou com a mãe da Adelma, avó do pequeno Lázaro, mamiferozinho gaucho de olhos claros e sucção promissora?

Já ouviu falar da Casa da Gestante?
Já passou pela sua cabeça que a equipe inteira trabalha com ordenha manual, não usa bombas mecanicas e fazendo assim se permite coletar mais de 14 litros de leite materno por mes?

Ja entrevistou a mãe do Pedro, auxiliar de enfermagem que sofreu uma cesariana com 31 semanas de gestação e que bdepois de ter usado formula por copinho por 3 longos meses reassumiu aleitamento exclusivo com o qual permanece ate hj?
Amigo?

Tem certeza que vc já provou dos doces de Pelotas?
Do sabor seu materno?
Da sua coloração lactea?

Já se sentiu acolhido por uma equipe de um Hospital que não poderia ter outro nome que não São Francisco?
Ainda não?

Eu te asseguro que voce não sabe o que está perdendo.
E como se não bastasse a doçura inesgotavel da Rejane e sua turma voce pode ter ainda a feli cidade de conversar com a Maria Amália e com a Jamile, que tornam o doce mais doce e fazem o frio pelotense transformar-se em calor e aquecimento verdadeiramente aconchegantes.

Então, meu amigo, minha amiga...
Nada contra o Pastel de Santa Clara, o Bem-casado, o Bom bom de Morango, a Queijadinha, o Beijo de Mulata...

Mas quando voce for a Pelotas, eu recomendo:
Não se esqueça de provar seus doces mais doces...
Voce não vai conseguir parar de provar e se fartar deles...

Aos amigos do Hospital Universitario São Francisco de Paula representados nessa mensagem pela querida Rejane, meu agradecimento, minha reverencia e minha desde já saudade grande.

Com carinho,

Luis Tavares,

Campos, RJ.

4 comentários:

Mariana Blaas disse...

Oi Gaby! Tb fiquei encantada com o Dr. Luis, que pessoa especial!
Como te disse acompanho teu blog sempre que posso, pois sei através da Paula, que assim como ele, tu tb és uma pessoa especial! Adorei te rever!

Beijos!

Paula Blaas disse...

Acabei de ler O Mundo de Sofia. Chorei, é claro..mas de felicidade, pelos três amigos guerreiros que conquistei!
Mil bjos

Kika Schuch disse...

Que lindo Gabi! Não tenho muito o que comentar, só me emocionar!
Bjo, Kika

bel disse...

oi, gabi! adorei o texto e o blog! beijos! isabel nogueira.