terça-feira, 29 de junho de 2010

Madrugadas

Estou longe do meu divã-virtual há quase duas semanas. Tempo curto por um lado, interminável por outro. Voltamos dia 21 de Novo Hamburgo, onde a Sofia comemorou seu aniversário, trazendo uma bela gripe na bagagem. Fomos com roupa de meia estação e encontramos uma frente fria no caminho. O resultado foi mãe e filha pestiadas.

Tosse, espirra, dói o corpo, mas segue o ritmo. Fomos assim por não mais do que dois dias. Primeiro eu caí de cama. Ela segurou mais dois dias, mas quando veio a baixo ficou bem ruinzinha. Desde domingo foram duas noites insones. Hoje, depois da segunda consulta ao pediatra, ingressamos com o antibiótico. Ela segue com duas sessões diárias de fisioterapia.

Durante as madrugadas, em que atendo minha florzinha, fico divagando. Entre um febrão e outro, vendo o seu esforço para respirar com aquele pulmãozinho lotado de catarros, me remeto a várias viagens noturnas.

As madrugadas parecem intermináveis. Eu sei que o tempo tem a mesma duração com sol ou lua, mas a sensação de infinito toma conta no escuro. Ainda mais quando a angústia é companheira dessas horas.

E nesse desenrolar noturno, penso e repenso na vida. Na sua brevidade e essência. No destino de cada uma dessas pessoas que cruzam o caminho da gente. Muitas, me questiono sobre o porquê de tê-las encontrado. Outras, fico feliz por existir um fio condutor e invisível, que atrai pessoas totalmente distintas, por motivos especiais. Essa mágica da vida é encantadora.

Penso no que deverá nos espreitar na próxima esquina. Misturo sentimentos de medo e alegria nas noites insones. Penso nos amigos que foram embora. Nos que nunca foram tão amigos assim. Nos que acreditamos que eram. E nos que sempre voltaram.

Cada um procurando fazer a sua trajetória nessa tal de vida. Buscando, achando, perdendo. Sentimentos contraditórios que invadem a cabeça durante os minutos infinitos da madrugada.

Entre um pensamento e outro, meus desejos são sempre para que a vida seja uma espécie de madrugada infinita, e que todos que eu amo estejam sempre por perto.

3 comentários:

Marilia disse...

Tava estranhando mesmo a tua ausencia . ia até perguntar a kiki o qtava acontecendo ... eu tb fico assim nas madrugadas mas n gosto muito de pensar durante elas , tenho um certo medo. querida, q a Sofia saia logo dessa . torço por vcs !!!bjs

Marcia disse...

Eu sei bem oque é estas angustias estas madrugadas, estes medos...tenho medo de acordar de madrugada...
EStou torcendo para que logo acabe...que ela melhore logo!

kiki disse...

Oi Ermã, tenho sonhado com vocês a várias noites, acho que andamos nos encontrados nos sonhos. saudades de vocês!
Amo muito vocês!!